Climatização com os olhos postos nas energias renováveis

A climatização é, em termos gerais, um processo de equilíbrio de temperatura no interior dos edifícios. Em termos de conforto, as temperaturas para uma casa variam entre os 18°C no Inverno e os 25°C no Verão. A noção de climatização prende-se com a utilização racional de energia e consequente equilíbrio ambiental. É por isso que actualmente as novas soluções energéticas assumem um papel preponderante. Assim existem um conjunto de estruturas empresariais como é o exemplo da Sinergiae que actua em áreas como o ambiente, a engenharia e a arquitectura, numa perspectiva de valorização ambiental.

Existem no mercado equipamentos e soluções eficientes em termos energéticos, que permitem climatizar locais de trabalho, apartamentos ou moradias.

“Os sistemas solares térmicos e sistemas de geotermia podem ser acoplados a sistemas de bombas de calor, de forma a obter parte da energia necessária no processo de climatizacão, os recuperadores ou sistemas de queima com recurso a Pallets (granulado compactado de resíduos florestais são uma excelente forma de integração de renováveis na parte climatização quente”.

Por outro lado, qualquer sistema de produção de energia eléctrica, como o solar fotovoltaico, as mini-eólicas ou até mesmo o mini-hídrico, podem facilmente produzir a energia necessária para um sistema tradicional de climatização, obtendo com isso os benefícios ambientais e económicos associados”. Por outro lado  existem as soluções ditas “passivas”, como por exemplo, as fachadas ventiladas com adaptação de painéís solares fotovoltaícos ou palas de sombreamentos fotovoltaícas, “que proporcionam tanto a produção de energia, como permitem uma maior protecção da fachada sul ao ingresso térmico, logo melhor climatização. Também em consequência, toda a arquitectura e o design exterior serão valorizados”.

No que diz respeito às soluções de microgeração (soluções de produção de energia), estas são, de facto, muito procuradas pelos clientes. “Efectivamente tem havido uma procura razoável deste tipo de sistemas, todavia, esse interesse inicial nem sempre se traduz por uma compra efectiva. muito devido a dificuldade de obtenção de alvarás e das políticas pouco arrojadas existentes”.

Especialistas não deixam de destacar que “as soluções passivas, que implicam integração arquitectónicas de soluções foto voltaicas, têm vindo a ser bastante procuradas por clientes.

Tempo e ambiente são vantagens

Quando falamos neste tipo de soluções não falamos de produtos mais económicos do que os convencionais. José Pimentão não tem dúvidas ao afirmar que existe, no entanto, uma “grande vantagem com este tipo de tecnologias:

o tempo”. O especialista clarifica que, “a médio prazo, estas soluções tornam- se invariavelmente mais económicas, tendo em conta que o consumo de energia será substancialmente reduzido, É certo que numa altura destas (de crise) um esquentador a gás seja economicamente preferível a uma solução queimador a Pallets (por exemplo), mas o gás não durará para sempre, a madeira durará”, remata.

Em termos de vantagens para o utilizador final,  a curto prazo, é inevitável a vantagem ambiental. “O cliente sente-se parte integrante da acção mundial para preservação no ambiente. E se essa não é razão suficiente, teremos, a médio prazo, a razão económica. A electricidade barata, o gás acessível e o petróleo nas bombas de abastecimento acabarão um dia e apesar de inconscientemente o ser humano não fazer caso deste tipo de alertas, no imediato todas estas formas de energia tornar-se-ão dispendiosas”, alerta o responsável. “A energia barata acabou, ano após ano sentiremos esse peso. Quem investiu neste tipo de soluções poupará bastantes recursos económicos pessoais”.

José Pimentão acredita na mudança e afirma que “sempre estiveram nas nossas mãos as decisões que, numa ou noutra altura, foram decisivas para o país”, Exemplifica com a implantação da Republica e destaca: “a implantação de uma verdadeira revolução energética já se iniciou. Veremos se seremos “nós” capazes de a acompanhar”.

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *